sexta-feira, 24 de maio de 2013

TIPOS DE VIOLÊNCIA

É necessário considerarmos que existem diferentes tipos e formas de violência – dirigida a si mesmo, interpessoal, ou coletiva. Entretanto, a violência se apresenta de forma diferenciada para homens e mulheres. Enquanto o homem sofre a violência nas ruas, nos espaços públicos, em geral praticada por outro homem, a mulher sofre a violência masculina, dentro de casa, no espaço privado e seu agressor, em geral, é (ou foi) o namorado, o marido, o companheiro ou o amante.

  • Violência contra a Mulher
A violência contra as mulheres é sofrida em todas as fases da vida. Muitas vezes ela se inicia ainda na infância e acontece em todas as classes sociais. A violência cometida contra mulheres no âmbito doméstico e a violência sexual são fenômenos sociais e culturais ainda cercados pelo silêncio e pela dor. Políticas públicas específicas que incluem a prevenção e a atenção integral são fatores que podem proporcionar o fortalecimento das práticas autopositivas e do coletivo feminino no enfrentamento da violência no Brasil. 


A Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher define tal violência como “qualquer ato ou conduta baseada no gênero que cause morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, tanto na esfera pública quanto privada” Essa forma de violência pode ocorrer no âmbito familiar ou em qualquer outra relação interpessoal, incluindo, o estupro, os maus-tratos, o abuso sexual, devendo, portanto, ser objeto de estudos e proposições afirmativas para sua erradicação.


  • Violência contra moradores de rua
“Hoje vivemos no Brasil uma epidemia de violência contra a população de rua. Parece que eles viraram o bode expiatório ou que, ao atingi-los, as pessoas estão fazendo um bem, tirando dos nossos olhos aquilo que nos incomoda”, constata o Pe. Júlio Lancellotti, vigário episcopal do povo de rua. Segundo ele, a violência contra os moradores de rua tem se tornado comum e demonstram a “incompetência da sociedade, do Estado e das comunidades de acolher e dar um encaminhamento a essas pessoas”.


  • Violência no trânsito
A violência no trânsito no Brasil apresenta números cada ano mais alarmantes, colocando o país entre os que mais registram mortes em acidentes de trânsito no mundo. Para tentar reverter esse quadro, os governantes concentram esforços para reduzir os índices dessa realidade, trabalhando na criação de novas leis e ações preventivas, embora algumas barreiras inibem resultados mais eficazes. A falta de efetivo, equipamentos e, principalmente a impunidade, fazem com que os números continuem elevados e sem previsão de redução.

  •  Violência contra Crianças e Adolescentes
_ Violência Física – Aquelas que podem provocar, ou não, lesões externas, internas ou ambas. O castigo repetido não severo, também é considerado violência física.
_ Violência Psicológica – Aquelas consideradas como a interferência negativa sobre a criança e sua competência social. As formas mais comuns são: rejeitar, isolar,
aterrorizar, ignorar, corromper e criar expectativas irreais ou extremada sobre a criança ou o adolescente.
Violência sexual – Aquelas entendidas como todo ato ou jogo sexual, relação heterossexual ou homossexual, na qual o agressor está em estágio de desenvolvimento
psicosocial mais adiantado que a criança ou adolescente.
_ Negligência – Omissão em prover as necessidades físicas e emocionais de uma criança ou adolescente. Quando os pais ou responsáveis falham em alimentar, vestir
adequadamente, medicar ou educar seus filhos. Acidentes também podem ser classificados como um tipo de negligência, quando passíveis de prevenção ou resultam
do descuido dos responsáveis ou da fala de investimento público.

  • Violência contra o Idoso
Atualmente a família hoje, é a entidade mais causadora de violência aos idosos. Isso não só no aspecto financeiro, mas também nas outras formas de abuso. Estudos mostram que 90% dos casos de violência e de negligência contra as pessoas acima de 60 anos ocorrem nos lares. Os conceitos de violência familiar e violência doméstica são bem próximos. 

A violência familiar implica na existência de laços de parentesco entre a vítima e o agressor, podendo ser dentro ou fora do domicílio da vítima. Já a violência doméstica implica em proximidade do agressor para com sua vítima, não exatamente ligada a laços de parentesco, podendo, portanto, ser exercida por empregados, agregados ou visitantes. Tais definições servem para ilustrar que o agressor do idoso é, na maioria das vezes, alguém próximo do mesmo, o que torna o ato de violência ainda mais covarde, já que praticado por um inimigo íntimo, conhecedor de minúcias em relação à vida e as fraquezas do idoso (inclusive afetivas). 




A dependência, seja ela de qualquer um ou de ambos os lados, é um fator que aumenta o risco de violência. A dependência econômica de filhos adultos em relação à pais idosos é muito aparente no Brasil,. A convivência e a co-dependência de ambas as partes pode gerar conflitos que resultam em atos de violência. Exemplo: exploração e dependência econômica dos idosos pelos mais jovens, maus tratos físicos e afetivos, negligências quanto ao estado de saúde, tão frágil e peculiar nesta fase.

As características do perfil do agressor de idosos mais comumente identificado na nossa sociedade são: mora com a vítima; é financeiramente dependente dela; abusa de álcool e drogas; vínculos familiares frouxos; pouca comunicação e afeto; isolamento social dos familiares da pessoa de idade avançada, o idoso ter sido ou ser uma pessoa agressiva nas relações com seus familiares; história pregressa de violência na família; os cuidadores terem sido vítimas de violência doméstica ; padecerem de depressão ou de qualquer tipo de sofrimento mental ou psiquiátrico. 


8 comentários:

Ligia Carvalho Viveiros disse...

Menina do Céu, que blogg maravilhoso, continue publicando, amei a forma como você escreve. Já Favoritei aqui, Parabéns! Ótimo Tema.

Barbara disse...

Adorei !!!

7754 disse...

muito bom

7754 disse...

gente voce que esta lendo isso vamos parar com essa violencia isso tem que parar do jeito que ta nao da

Unknown disse...

adorei esse blogg !!!! <3 <3 <3

Leonardo Alves disse...

muito bom, vou recomendar para a galera do facebook, vlw

zequinha aguiar azevedo disse...

falou muito bem sobre o assunto!!
gostei muito!! obrigado.

Bruna Araujo disse...

Adorei o blog! O texto é muito bom! Muito bem escrito e organizado!

Postar um comentário