sexta-feira, 24 de maio de 2013

QUAIS AS POSSÍVEIS SOLUÇÕES ?


Todos se perguntam: O que podemos fazer para mudar essa situação? 

A prevenção à criminalidade urbana, inclusive a violenta, só pode ter sucesso por intermédio de uma inclusão humana social, econômica e política. Não se reduz a criminalidade a níveis razoáveis unicamente por meio da lei, definindo novos fatos típicos, agravando a resposta penal e excluindo benefícios dos autores de infrações penais graves. É uma verdade secular, já vivida pelo nosso País há longos anos com enorme prejuízo à segurança pública.

A repressão à violência urbana não se faz à força, como se prendendo criminosos tivéssemos cidades limpas de péssimos indivíduos. Isso se faz, em primeiro lugar, pela educação, esperando-se resultados positivos no futuro.

Todos se perguntam: O que podemos fazer para mudar essa situação? Para mim, trata-se de uma questão conjuntural e estrutural ao mesmo tempo. Uma questão social e moral que não poderá ser resolvida de imediato, como num toque de mágica, mas somente a longo prazo. Deve envolver as famílias, escolas, igrejas, ONGs, partidos políticos. Com certeza, não vamos resolver com ações isoladas, de forma individualista. É preciso uma ação coletiva, envolvendo muitos atores sociais, tais como os poderes Executivo, Legislativo, Judiciário, o mundo da Educação, da Cultura, da Saúde, do Trabalho e outros setores importantes da sociedade.


Além das ações práticas cotidianas, tais como policiamento maior, Rota nas ruas etc., é preciso reeducar os valores, pois muita violência está vinculada ao mundo do consumo, do mercado e do trabalho. As necessidades de consumo são tantas, e de forma tão violenta, que as pessoas ficam “loucas” para comprar um produto ou mesmo ganhar dinheiro fácil, roubando um caixa eletrônico, uma pessoa que sai do banco (saidinha) ou mesmo sequestrando de forma organizada ou espontânea.

Penso que existe um problema anterior que precisamos analisar, ou seja, a violência da imposição ao consumo por meio das publicidades e propagandas que querem vender de qualquer jeito. Vejo jovens que são capazes de assassinar o colega para tomar o seu tênis, homens e mulheres que são capazes de matar o marido, a mulher, a mãe, o pai, o avô para ganhar o dinheiro do seguro. A loucura pelo dinheiro, esse “Deus que assassina”, está produzindo violência contra seus próprios irmãos. Uma violência fácil, que age por qualquer motivo, que tira a vida por coisas fúteis. Nesse sentido, penso que precisamos trabalhar pela reeducação da sociedade como um todo.

Um novo país, com uma nova moral deve ser construído. É preciso fazer a crítica social, política e moral desse País e dessa cultura que tem produzido ladrões por todos os lados. A responsabilidade para combater a violência coibindo as ações destrutivas é de toda a sociedade, uma vez que somos nós (cidadãos) que escolhemos e controlamos os nossos governantes.

8 comentários:

Carlos L S Santos disse...

A violência está insuportável, governos não fazem nada, políticos só aprovam benefícios pra bandidos... Por tanto um novo projeto pode ajudar os cidadãos de bem.
http://www.kickante.com.br/campanhas/vidtrack

yroito mesquita disse...

dhgtuhdtyhretyhtthhuyhtujytiyuooo

Unknown disse...

Columbine...

ithalo Calanca disse...

é verdade
bando de burgues safado

Regiane disse...

Texto muito bom. Aponta que o Governo faz menos do que o mínimo no campo da segurança pública, mas nós cidadãos, podemos fazer nossa parte. Educando, estimulando o senso crítico e ensinando valores morais para as crianças, pois, todo comportamento é aprendido.

Allan disse...

A verdade é que Governo não se dedica tanto em socialização de pessoas a margens da sociedade, não adianta construir presídios, o que precisa ser feito é ter uma boa educação e oportunidades de trabalho para nossos jovens e leis mais duras para aqueles que insistirem a viver a margem da sociedade.

Matheus Pierre disse...

É bem verdade que o problema é estrutural, passando pela desigualdade social e o investimento quase zero em educação. Todavia, o que se observa é que o Estado tem negligenciado investimentos em segurança pública, oque tem feito alavancar os índices de criminalidade num surto desenfreado. Tendo ciência disso e de que em média 50% dos crimes violentos são cometidos por jovens entre 16 e 24 anos é perceptível que os dois principais pontos que justificam esse país de criminosos são alta taxa de natalidade, aliada a impunidade e exclusão social e falta de estrutura familiar.

fabio zava disse...

espera, você está me dizendo que culpa da violência escancarada brasileira é culpa do capitalismo?
nao sei se você ja pesquisou ou se ja passou por sua cabecinha esquerdista, que por exemplo, cuba, china, coreia do norte... São países extremamente violentos, e nesses mesmos países nao Existe o tal "consumo" que você disse acima.
a violência está relacionada diretamente com a cultura do meio social, se um povo é ensinado que as leis que punem são frágeis, consequentemente a violência aumenta, se um povo aprende que agredir professor é um sinal de revolução, consequentemente você tem a decadência dos preceitos morais sociais.
Enfim, poderia dar aqui mil exemplos, mais o capitalismo já mais é problema, pode contribuir minimamente, mais está longe de ser o foco de tudo isso.

Postar um comentário